quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Educadores à beira de um ataque de nervos.


Há uns dias atrás um idiota qualquer escreveu um artigo, querendo vender a ideia de que professor ganha muito bem e que tem privilégios demais. Não vou aprofundar nos números, vários colegas já fizeram tabelas comparativas, campanhas de boicote à editora da revista, estou acompanhando e apoiando tudo isso, mas não vou entrar nesses méritos aqui. Vou só contar um pouquinho do que os professores e demais profissionais de educação estão passando hoje em dia.

Sou profissional de escola pública há 15 anos. Mas tenho certeza de que meus colegas do ensino privado não estão sofrendo menos do que nós. A cada ano se torna mais difícil ser educador. Temos que lidar com alunos malcriados, agressivos, sem limites. Independente da história de vida deles. A sociedade está produzindo crianças insuportáveis, pobres e ricas. O professor tem que gerenciar a sala de aula, ouvir as mazelas da humanidade, separar brigas, mediar conflitos E ensinar. E ouve pedagogos dizendo que sua aula tem que ser mais dinâmica, lúdica, animada, carnavalesca. Ah, mas tem que ser disciplinada, porque deusmelivre professor por aluno pra fora de sala. Ô raça!

Na sala da orientação, chegam os alunos indisciplinados, pais insatisfeitos e equipes de supervisão dos sistemas educacionais. O orientador até pensa em projetos bacanas pra implementar na escola, mas não consegue porque não é orientador, é bombeiro. Sério, é bombeiro mesmo. Porque além de apagar incêndios frequentemente, ainda ouve da supervisão que é preciso "resgatar" tal aluno. Aluno que às vezes já desistiu de estudar, já está envolvido em atividades ilícitas, que já não tem mais referência familiar. A sociedade, os governantes, a família, o mundo inteiro o empurrou para o crime. Mas a escola tem que "resgatar". Fora os afogamentos. Ficamos afogados nos formulários, relatórios, encaminhamentos, quadros que vem como uma onda gigante e nos engole. No fim, o orientador que era pra ser um elemento de extrema importância na escola passa a ser um "mala sem alça" que "não faz nada de útil" e não faz a menor falta.

E o diretor? Ah, o diretor! Não vou falar aqui do poder, das indicações políticas nem nada. Vou falar da pessoa. Ela tem o triplo de papéis pra se afogar e é legalmente responsável por toda a merda que acontece dentro da Unidade Escolar. E tem que lidar com pequenos e grandes problemas. "Dona Maricota, acabou o sabonete líquido do banheiro de funcionários". "Dona Maricota, o Joãozinho disse que a professora apertou o braço dele". "Dona Maricota, corre que a mãe do Joãozinho tá subindo pra sala de aula e disse que vai "arrebentar aquela vagabunda". Tem que lidar com a falta de professores. Faltam professores e os professores faltam. Ô bicho pra ficar doente esse tal de professor. E fica mesmo, sabemos disso. Mas todo professor (que fica doente de verdade, porque "doença não dá em poste") conhece um(a) colega que "arma pra caramba" e consegue tirar licenças sem dificuldades. O diretor sonha em ser um bom líder, que gerencia uma escola de sucesso, cujos alunos aprendem de verdade e serão "alguém na vida". Mas sabe o que ele acaba sendo, na visão dos outros? Um grande fdp. Não estou dizendo que TODO diretor é bonzinho de coração nem que não há interesses ocultos em algumas relações de poder. Estou falando do dia a dia, considerando que o sujeito é um cara moralmente correto.

O salário? depende da rede. Menor que o piso, maior que o piso, não importa. O quanto for não paga essa responsabilidade toda. Sabemos que uma sociedade como a brasileira nunca vai valoriz
ar suficientemente o professor, na questão financeira. Aposentadoria especial é o mínimo, já que com todo este cotidiano, é raro um cara chegar ao final da carreira sem pelo menos um tarja preta. Imagina ter que morrer trabalhando? Ou se aposentar e ter que gastar toda a fortuna comprando remédios e pagando terapia? É isso o que está acontecendo conosco, mesmo tendo todos os "privilégios" que o babaca do cara escreveu lá no artigo. Imagina quando isso nos for tirado: Sabe o que vai acontecer? Ninguém vai querer ser professor. Se for, vai ser por falta de opção e vai sair assim que tiver oportunidade. Pra que fazer mestrado? só se for pra conseguir um emprego melhor. Até eu tô querendo sair dessa.

Tudo o que eu sou, tudo o que eu construí financeiramente foi graças à carreira na educação. Não estou passando necessidade nem estou rica. Não se trata do dinheiro. Se trata de valorização. De condições de trabalho. De apoio moral. De reconhecer que nada paga a dedicação de um bom professor e de que nós merecemos, no mínimo, não ser tratados como os vilões. Estamos adoecendo e morrendo. Precisamos de respeito. Mais pra frente quero escrever sobre a saúde do professor. Se alguém tiver um bom material pra me indicar, agradeço!

terça-feira, 5 de julho de 2016

Dois pesos, duas medidas


Quando se fala em educação tem sempre gente dizendo o que é certo ou errado. Sempre tem profissionais pra dar testemunho de sua reputação cristalina nos seus trocentos anos de carreira.


Acontece, broder, que aqui embaixo a lei é diferente. A pessoa é pura e sem mancha até a página dois. Nessa hora eu prefiro os professores "vida loka" que se assumem enrolados, desbocados e descontrolados do que aqueles "super comprometidos com seus alunos", mas, na hora do vamos ver, "farinha pouca, meu pirão primeiro". Do que eu estou falando?


Tô falando de professores que acham um absurdo suas turmas serem dispensadas quando eles faltam mas jamais abrem mão de um dia sem aluno. Ou de pedagogos/gestores que acham um absurdo o professor faltar sem dar satisfação mas "Deus me livre, dispensa essa turma horrorosa, se a gente ficar com a turma os professores vão ficar mal acostumados". Ou de colegas que fazem greve e, na hora de repor aulas é salve-se quem puder.


Sabe, eu não sou santa. Sou educadora. Educar é meu ganha-pão e minha escolha. Mas admito que dia sem criança na escola é um dia mais tranquilo. Admito que estou sempre querendo férias. Admito que ter saído de sala de aula foi providencial no momento que foi. Mas antes de qualquer debate, antes de qualquer julgamento aos colegas, antes de tudo precisamos baixar a bola e enxergar os colegas como seres não perfeitos nem divinos. Se é pra lutar por educação de qualidade, precisamos de um bom exame de consciência e de um "Semancol". Dois pesos, duas medidas não dá. E isso é só o começo da conversa.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Novo projeto para o blog!

Boa noite! Estou voltando, depois de dois anos, com uma nova proposta para o blog: Trocar ideias sobre pedagogia numa visão bem humorada e sem demagogia. Quero desmistificar aquela visão de pedagoga chata, que só repete clichês e leva textinhos para os professores com uma balinha grampeada. Blah! 😒
Aceito ideias para nosso debate!

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Quando eu me irrito comigo mesma.

Eu fico achando que tudo o que eu faço está errado. Ridículo. Mal feito. Eu fico sentindo que não estou cuidando bem das pessoas que amo. Me sinto egoísta. Culpada por só querer dormir. Culpada pelos rompimentos, pelos mal entendidos, pelos problemas. Me sinto incompetente e improdutiva no trabalho. Eu fico querendo mudar.

Daí vem a rotina e me empurra pra fazer tudo igual. Levantar cedo, trabalhar. Voltar, trabalhar mais um pouco e descansar. Fico arrasada quando meu maior desejo é dormir. Nesses momentos, o mau humor toma conta e acabo descontando em outras pessoas.

Fico querendo consertar o que não tem conserto (quando isso vai acabar?) Fico dando desculpas a mim mesma por não ter feito as coisas do jeito que eu queria. Me escondo de Deus.

Me irrito comigo mesma porque fiz tudo errado, faço tudo errado porque estou irritada comigo mesma.

Eu sei que Deus me criou para dar certo. Ser feliz e irradiar o amor Dele em todos os lugares. Sei que as pessoas gostam de mim e me admiram. Sei que eu não desejo o mal a ninguém. mas há uma inércia me empurrando para baixo, como se fosse gravidade. Tudo o que eu quero é dormir. Só que Deus colocou pessoas em meu caminho, e se eu não me mover em direção ao céu, vou puxá-las junto comigo para baixo. E no chão já basta eu.

Basta orar. Pedir a Deus que reacenda em mim o primeiro amor. Por Ele, pela vida, pela minha família, pelo trabalho, pelo mundo. Falar com o Senhor sobre o que estou sentindo. Tentar me compreender e me perdoar. Buscar coragem para olhar para o alto e avante, respirar fundo para oxigenar e seguir. Cadê meu melhor sorriso? Peguei. Cadê aquela reserva de forças para vencer o dia? Aqui. Gratidão? Deixa eu procurar... aqui. Não tiro ela da bolsa, mesmo que às vezes fique esquecida lá no fundo e eu demore para encontrar. Agradeço a Deus mais uma vez e continuo meu dia. Ele vai terminar e espero que seja um dia feliz.

Boa segunda-feira!


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Tim tim, saúde!

Oi, pessoal! Quanto tempo! Saudades de postar... Bem, a grande novidade é que eu estou numa de cuidar da saúde agora. Não dá mais pra esperar, os anos estão passando e casa vez fica mais difícil emagrecer e ganhar condicionamento.

Minha irmã me deu o guia de bolso da época que fez vigilantes em casa, eu baixei um app no tablet e estou aprendendo a comer direito. Também apareceu uma mega promoção no Groupon para a academia curves, e eu me joguei. Comecei ontem, estou in love. O circuito é rápido e não dá pra sentir tédio.

Comprei duas regatinhas pra malhar, estou muito feliz. Meu tempo livre agora tem outro sentido, dormir não é mais minha prioridade, bem, quero dizer, não tanto como antes. Com isso, não tenho conseguido me dedicar tanto à maquiagem, sou assim. Não consigo cuidar de tudo ao mesmo tempo. Quem sabe um dia?

Mais tarde virei dar mais detalhes da minha dieta. Já passei da fase de morrer de fome. Agora me conformo que, na minha idade, tenho que comer pouco mesmo, e comer besteiras é só pra ocasiões muito especiais. Marido também entrou nessa de emagrecer, mas tomou outras decisões. De um modo geral, nos dois estamos procurando ser mais saudáveis. Um abraço carinhoso!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Nude

Nudeu tempo de fazer maquiagem hoje.
Nudeu tempo de fazer unhas há semanas.
Nudeu tempo de hidratar o cabelo.

Olho pro basculhante do banheiro e me desespero com a fila de cosméticos: Dermacyd, esfoliante, loção 3 em 1 para o rosto, óleo corporal. E, na prateleira, o shampoo e o condicionador. Fora o creme para linhas e rugas para área dos olhos, mais a máscara de pepino que estão na pia, o creme redutor de celulite e medidas na cabeceira da cama. Socorro! Tenho que tomar cuidado para que estes cuidados fiquem naturais, e que eu não vire escrava dos cosméticos.

Hoje fui trabalhar em Caxias, procurei uma blusa mais arrumadinha, fiz uma fitagem mais caprichada no cabelo pra ver se ele dura. Mesmo sabendo que, no fim da tarde, ele está torcido pra cima com uma piranha preta segurando. Faz parte. Meu glamour tem duração média de 5 a 6 horas. Levando-se em consideração que trabalho 10 horas (incluindo o transporte entre um emprego e outro, porque né? esperar busão e tomar sol na cara dentro dele pode ser considerado tempo de trabalho e fim) em dias como hoje... é muito trabalho pra pouca mulherice.

Mas é assim, a gente tenta mudar, mas tem que ser aos pouquinhos. Senão vira paranoia. E quando eu cismo com uma coisa, gasto é tempo com isso. E nem me aprofundo em nada. Mas que tá divertido ver vídeos de maquiagem na internet, isso tá.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Amor atual: Maquiagem! Sugestões de vídeos

Oi, gente...
Bem, eu queria fazer uns antes e depois de maquiagem, só que estou totalmente desprovida de itens, até porque há pouco tempo eu achava que me maquiar era passar lápis, 2 cores "blah" de sombra e batom. Então como estou recomprando  revendendo Avon, fiz vários pedidos este mês e então vou poder compartilhar com vocês minhas peripécias de autodidata em makeup.

Não é do meu feitio fazer "vídeo de comprinhas", aliás, morro de vergonha de fazer vídeo. Mas... pode ser que quando minhas coisas chegarem eu me anime em gravar minha maquiagem. PODE SER.

Por enquanto, vou compartilhar aqui com vocês uns vídeos que têm me inspirado:


Claro que não é minha intenção virar uma top top de maquiagem pela internet como a Alice e a Camila (vídeos acima), é só pra compartilhar com vocês meu amor do momento. Que pode durar meses, anos ou até semana que vem, já que eu sou dessas rsrs

Beijo grande!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Projeto mulherzinha

Oi, pessoal!
Então, vocês sabem que eu não sou muito mulherzinha. Não sou louca por maquiagem, nem por esmaltes, nem por roupas, nem sapatos. Compro o necessário para sobreviver. Mas sacumé, né, a idade está chegando... e então eu morro de inveja de mulheres que estão sempre lindas, com roupas combinando, com sapatos e bolsas lindas, com bijus fofinhas e maquiagem impecável. E nem sempre isso é sinônimo de riqueza, mas sim um estilo de vida. Então estou tentando virar um pouco mais mulherzinha do que sou agora. Claro que não pretendo me tornar uma consumista fútil, me endividar no cartão de crédito (até porque já estou endividada), etc. Só quero me preocupar um pouco mais com meu visu, porque ninguém merece mulher feia kkkk a beleza natural da juventude está se esgotando rsrsrs

Aí, pra começar, eu resolvi pegar uma grana extra que entrou pra mim e comprar umas roupinhas. Muito poucas, baratas, mas que me valorizaram um pouco. Porque eu estava me vestindo tipo assim: Um jeans e uma blusinha de algodão. E achava tão digno mulheres usando uma terceira peça, tipo uma blusa de botão, sabe? e uma regatinha por baixo? Aí, comprei vestidos e blusas e só isso já deu a maior diferença.

Depois, resolvi usar maquiagem. Sim, este rostinho que sempre se sustentou com batom e no máximo um lápis, hoje não vive mais sem base/sombra/lápis/rímel/blush/batom. Fico me sentindo mal quando não dá tempo de me maquiar. Nosso rosto não é nosso, ele é do outro. Porque não olhamos nosso rosto o dia todo, mas os outros sim. E como maquiagem não cai do céu, resolvi ser revendedora Avon. Ô tentação! Quando pego a revista, dá vontade de comprar tudo pra mim, mas até que está dando pra vender legal. Prazamiga, prazirmã, pracunhada, pramãe e afins. E dá pra tirar alguma coisinha pra mim. Nem quero ficar rica com isso, quer dizer, quero sim, mas sei que é difícil, então pelo menos uso o lucro pra comprar minhas coisinhas.

Agora preciso ter uma cota de roupinhas e acessórios por mês, pra ficar com um estoque legal, porque é fogo, se a gente se descuidar acaba gastando demais, ou comprando errado. Melhor comprar pouco e poder comprar sempre. Encomendei até um dvd de maquiagem da Avon pra me ajudar. Depois, se eu lembrar, eu posto umas fotinhas desta minha transformação para vocês verem. Claro que não vou postar vídeo tutorial de coisa que eu não sei fazer... mas me deu uma vontade grande de fazer um curso de maquiagem! Quem sabe?

Bem, pessoal, por hoje é só. Beijo grande!

sábado, 22 de junho de 2013

Hello

Esses dias não estou conseguindo fugir de pensar. Sabe que tem hora que ser consciente cansa? Entrar no facebook e não ver mais memes, não rir do Chapolin ou da Chiquinha está estranho. Quem me conhece sabe que não sou alienada. Mas sabe? minha cabeça tá fervendo.

Como todo mundo eu acho que estava mesmo na hora do povo tirar o rabo da cadeira e desligar o computador, que o ativismo do facebook já deu nos nervos. E a coisa tá muito grande. Até emociona. O povo quer mudanças.

Mas e como vão ser feitas as mudanças? Renúncia? Impeatchment? fechamento do Congresso? A gente tá querendo mudança pra melhor ou a volta da ditadura? Baixaram os preços das passagens, ok. Agora os senhores prefeitos estão dizendo que a diferença vai sair de cofres públicos, e que deixarão de fazer investimentos. Claro, vão ter que roubar mais, né... tudo isso vem em um furacão na minha mente e eu tem horas que quero fugir de tudo e ir pro shopping. Me julguem?

Acho que justiça, JUSTIÇA MESMO a gente só vai ter quando Jesus voltar. Mas enquanto isso claro que não podemos cruzar os braços e entubar tudo. O povo estava muito cansado da opressão, é normal que não saiba muito bem o que quer quando percebe que tem mais força do que o opressor. Hora de termos calma. Podem dizer que é modinha. Mas modinha de ir pra rua protestar contra a corrupção é melhor do que modinha de Ah lelek lek lek ou modinha de calça listrada, não acham? Que seja, então, está na moda protestar.

Eu não fui lá. Dá uma vontadinha, mas dá um medinho também. Por enquanto estou acompanhando e analisando. Sem fazer o jogo sujo da mídia, o que é difícil pra caramba. Mas é importante ter os pés no chão e saber que 500 anos de corrupção não sumirão com 2 semanas de gente na rua.

Beijo!


quinta-feira, 21 de março de 2013

É preciso rever prioridades e saber viver!

É março e parece que é dezembro. Estou mais cansada do que nunca. Esgotada mesmo. Quase quebrando aquele treco que os participantes do No Limite usavam no pescoço (esqueci o nome daquilo) e desistindo. Mais uma vez, há coisas acontecendo por todos os lados que estão afetando minha produtividade. E minha vontade é largar o emprego...

O problema não são os empregos. Sou eu... me sinto uma incompetente, tanto trabalhando quanto em casa. Precisava de uma pausa. Mas não só uma pausa, porque as férias acabaram há poucos dias, mas uma pausa pro meu cérebro, uma pausa pra me reorganizar, no espaço e na mente [Sdds, Beta :-(...]. Porque preciso rever prioridades e aproveitar melhor o meu tempo.

Por exemplo: quando é uma manhã de folga e não tenho compromissos, fico com a consciência pesada de acordar tarde. Então, antes das oito estou de pé. E pra quê? sento em frente à TV e ligo o computador. E quando não estou com um, estou com outro. E o tempo passa, chega aquela sensação de que não fiz nada e chega a hora de dar aula. E eu penso: PUTZ, POR QUE EU NÃO FIQUEI DORMINDO???

Queria largar um dos empregos e ficar mais em casa com meu filho e meu marido.

Queria ter mais qualidade de presença em casa.

Queria colo...

Queria ligar o ventilador, puxar meu lençolzinho e dormir, agora mesmo!

Mas tá bom. Vou levantar, tomar banho e ir dar aula. Voltarei às 17h15. São só 4h30 de trabalho hoje, posso passar por isso. Preguiça é pecado. Louvado seja Deus pelos meus empregos.