O negativo.

A Liga 10/05/2011. Assistam com atenção a parte logo após os quadrigêmeos.



Bem, como eu disse um post abaixo, eu quero ser mãe de novo. Tanto, que às vezes esqueço que já sou. Então olho pro meu filho lindo e agradeço a Deus por ter me dado ele. Por ter me dado meu positivo. Ouvir um "positivo, tá?" por telefone foi uma das coisas mais felizes da minha vida. Por que um positivo é tão importante? Qual o problema do negativo?

O negativo é mau. Sombrio. Doloroso. O negativo é escuro. O mundo silencia e você só pensa nele. Você só pensa: De novo, não! Eu acreditei tanto... eu tinha tanta certeza... eu estava tão enjoada... eu me esforcei tanto... eu gastei tanto... enfim. Você pensa que dessa vez havia algo diferente das outras vezes, até a hora de ver ou ouvir o resultado. Instantes antes, você desacredita e pensa: vai dar negativo de novo. Microinstantes antes, você acredita. Até que ele aparece de novo: o negativo. Quando você está sozinha, desaba, grita, briga com Deus, quebra copos, joga as coisas no chão. Quando está acompanhada, apenas se entrega e chora, ou se faz de forte: "ainda bem, acho que não era mesmo o momento..." "Eu não vou desistir! bola pra frente!" mas o buraco de dor que se abre no peito é o mesmo.

Eu tive dezenas de negativos. Vira e mexe, achava que estava grávida. Comprava teste de farmácia, e às vezes ia no médico e pedia o exame de sangue. O acredita-não acredita-acredita é infinito. O tempo não passa até sair o resultado. A sensação é que você nunca, NUNCA vai ver um positivo na vida. E, mesmo quando o negativo chega, você fica tentando mudar ele com a força do pensamento: eu não devo ter olhado direito. Será que 0,25 é negativo mesmo? pesquisa na internet. Será que eu não fiz o teste cedo demais? repete uma semana depois. Será que eu não joguei o teste fora muito cedo? cata o teste na lata do lixo. Um inferno. Até, aos poucos, você resolver aceitá-lo. E as pessoas que vivem perguntando? péssimo. Tudo o que falem, por mais que tentem ajudar, atrapalha.

A dor do negativo é tão profunda que não há palavras suficientes para mensurá-la. Parece que Deus se esqueceu de você. Ou não vai muito com a sua cara. Ou simplesmente não quer. Ou, será que esse Deus existe? Todos esses sentimentos se misturam e explodem nas horas que se seguem ao resultado. Depois, você enxuga as lágrimas e estende as mãos a Deus de novo, como uma criança de dois anos pedindo colo depois de uma birra. E ele sempre nos dá a mão.

Sim, eu tive um positivo. Eu o ouvi por telefone, e como eu disse antes, voi estupendo. Ele existe! Bhcg's dão positivo, por mais que às vezes pareça que não. Só me arrependo de não ter feito o teste de farmácia, pra tirar o "trauma". Pra ver um teste dando positivo comigo, porque mesmo depois do Mateus, eu ainda sinto uma dor (um pouco menor, agora) quando a listra rosa teima em ficar sozinha. Mesmo quando penso que ainda não é um bom momento. Odeio o negativo. é pessoal, mesmo.

Desde a semana santa, andei sentindo umas coisas estranhas. Primeiro um inchaço nos tornozelos (pausa. Por que tentante acha que tudo, TUDO pode ser sintoma de gravidez? incrível! play). Minha pressão andou mais alta do que de costume (costume que é bem baixo). Depois, enjoos. Todo dia, de manhã. Mais de uma semana enjoando. E pedindo a Deus pra ser gravidez. Pedindo sinais, interpretando sinais erradamente. Pronto, dessa vez é. Tenho certeza. Até Mateus está aceitando melhor a ideia de ter irmãozinho. É um sinal, tenho certeza. Terça-feira passada, pedi Alan pra comprar um teste (até ele estava acreditando, dessa vez). Mesmo processo, e pum, negativo. Silêncio interior. Briga com Deus, depois e aceitação. Continuei sentindo enjoo, e resolvi repetir o teste depois de uma semana. Negativo de novo...

Nos últimos dois dias, me senti um pouco melhor. Falei pro Alan: "amor, você sabe que eu cismei de ter outro filho, né... então, a partir de agora você reza, faz novena, faz promessa porque eu não vou fazer mais. Vou fazer só a parte prática, tá bom?" ele riu. Acho que se interessou pela parte prática. Ando pesquisando umas coisas, pensando em fazer tratamento de novo, faz parte, sei disso. Estou vivendo o momento. Mas pretendo, de verdade, não falar mais sobre isso com Deus. Pedir, sim, de vez em quando, mas sem botar Deus na parede. Quem quiser que eu engravide também, fale com Deus que eu já estou cansada. Só faço exame se o Alan comprar, colho a urina e nem vou lá olhar. Me avise se der positivo. Sei que esse sentimento pode mudar daqui a pouco, mas nesse momento estou sentindo isso. E estou bem!

Resolvi postar sobre isso porque assisti "A Liga" ontem, peguei já no finzinho. Vi um casal que tinha feito FIV, esperando o resultado. E, quando o médico chamou e disse que deu negativo, vi a mulher chorando doloridamente, e o marido tentando ser forte, consolando-a. Senti tanto aquela dor, tive o negativo tantas vezes, que parecia que era comigo. Senti um nó na garganta. Eles vão conseguir, são jovens, tem tudo pra dar certo. Mas é preciso viver o "luto" do negativo, pra saber valorizar a glória do Senhor através do positivo. Estou aguardando o meu.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Vamos lá...

Reforma, gripe e fim de ano.